terça-feira, 26 de setembro de 2017

MINISTRO HELDER BARBALHO LIBERA R$ 3 MILHÕES PARA O MUSEU EMÍLIO GOELDI


O histórico Museu Emílio Goeldi não corre mais o risco de fechar as portas. O Governo Federal anunciou a liberação de R$ 3 milhões para desafogar o orçamento do museu. A assinatura do repasse aconteceu nesta ultima semana durante o Congresso Brasil Competitivo 2017 de Economia Digital, em São Paulo, com as presenças do ministro da Integração Nacional Helder Barbalho, Gilberto Kassab, ministro da Ciência, Tecnologia e Comunicação, e Nilson Gabas Júnior, presidente do Emílio Goeldi.

A situação do centenário museu paraense era crítica e tornou-se pública na semana passada. A direção do Emílio Goeldi chegou a realizar uma coletiva de imprensa para explicar a situação de dificuldade financeira que o lugar estava passando. No final da coletiva os gestores deixaram claro: se a situação continuasse precária como estava, o museu de 122 anos teria que fechar as portas.

Após expor publicamente o desespero orçamentário pelo qual passava o museu Emílio Goeldi, o ministro da Integração Nacional Helder Barbalho organizou uma frente de trabalho com o Ministério do Planejamento para garantir a liberação dos recursos. Durante a assinatura da liberação, Helder mostrou-se aliviado.
“Como paraense fiquei muito preocupado com o risco eminente do fechamento do museu. Poder anunciar a liberação desse recurso hoje e a manutenção dos serviços do Emílio Goeldi é um motivo de grande festa”, comemorou o ministro, pronunciando em seguida a frase ‘Somos todos Emílio Goeldi’, que virou hashtag das campanhas pedindo a permanência do museu nas redes sociais.

Para Gilberto Kassab, que veio a Belém exclusivamente para a assinatura da liberação dos recursos, agora existe a garantia de que o local funcionará na sua plenitude. “O governo acaba de encaminhar os recursos necessários para a plena continuidade dos trabalhos do museu”, pontuou Kassab.

Para Nilson Gabas Júnior, presidente do Museu Emílio Goeldi e um dos líderes da diretoria que decidiu expor publicamente o déficit do museu, a sensação final é de vitória para o povo paraense.

“Há uma semana atrás eu iria anunciar o fechamento do museu, mas hoje com a conquista dos recursos, já estamos tratando de manter os contratos com a garantia orçamentária de que não vamos fechar”, garantiu Nilson.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Miner

ASSOCIADA AO AÇAÍ, DOENÇAS DE CHAGAS AVANÇA NO BAIXO TOCANTINS

O Pará concentra metade dos registros de doença de chagas no Brasil; No Baixo Tocantins cidades como Limoeiro do Ajuru, Cametá e Oeira...